Arquivo para novembro \30\-03:00 2009

30
nov
09

Acelerador de partículas LHC quebra recorde mundial de energia

da Efe

O Grande Colisor de Hádrons (LHC, na sigla em inglês) já é o acelerador de partículas de energia mais alta do mundo, depois que feixes de prótons circularam nesta segunda-feira (30) a 1,18 Tera eletrovolts (TeV), informou o Centro Europeu de Pesquisa Nuclear (CERN, na sigla em francês).

O número bate o recorde mundial anterior de 0,98 Tev, alcançado pelo colisor Tevatron do Fermi National Accelerator Laboratory, nos Estados Unidos.

“Este evento constitui um importante marco no caminho rumo ao programa de física do LHC em 2010”, no qual se chegará até os 7 TeV (3,5 TeV por feixe), segundo uma nota o centro de pesquisa.

“Continuamos nos adaptando sobre como está sendo simples o manejo do LHC”, declarou o diretor-geral do CERN, Rolf Heuer, que, no entanto, se mostrou prudente ao afirmar que “seguimos passo a passo, ainda há muito a ser feito antes de começar a física em 2010”.

A próxima meta é aumentar a intensidade dos feixes até o Natal antes de extrair maiores quantidades de dados das colisões.

Para isso, o CERN deve garantir que uma maior velocidade dos feixes possa ser manuseada de maneira segura e que seja possível assegurar condições estáveis para os experimentos durante as colisões, o que se espera que leve cerca de uma semana.

30
nov
09

Royal Society de Londres lança site de cronologia com Newton e outros gênios

da France Presse, em Londres

A teoria da luz explicada pelo próprio Isaac Newton e um estudo do século 18 sobre o menino prodígio Mozart são alguns dos trabalhos que a Royal Society de Londres coloca à disposição dos internautas a partir desta segunda-feira (30) em sua nova página Trailblazing.

Lançado por ocasião do início das celebrações dos 350 anos da instituição, o site de cronologia interativa Trailblazing dará acesso a uma seleção dos artigos científicos mais influentes, edificantes ou intrigantes entre os quase 60.000 editados na publicação “Philosophical Transactions”.

Os 60 trabalhos escolhidos cobrem praticamente todas as disciplinas científicas e abrangem da descrição de uma transfusão sanguínea entre dois cachorros em 1666 até as recentes propostas da geoengenharia para lutar contra a mudança climática, passando pela explicação da descoberta da estrutura do DNA em 1954.

Estreia de Newton

Em 1672, Isaac Newton, jovem professor de matemática da Universidade de Cambridge, enviou uma carta –ilustrada com vários desenhos– à Royal Society para expor sua nova teoria da luz e das cores, que demonstrou pela primeira vez que a luz solar é composta por todas as cores do espectro.

Além de lançar sua carreira científica, que culminou com a descoberta da lei da gravitação universal, esta revelação o levou a aperfeiçoar o telescópio refletor utilizando espelhos para evitar a aberração cromática.

Mais lúdicas são as conclusões do cético que submeteu o pequeno Wolfgang Amadeus Mozart a uma série de complicados testes musicais para comprovar se era realmente o gênio que todos anunciavam durante uma de suas primeiras viagens a Londres, em 1764.

Ao final da experiência, Daines Barrington ficou convencido e escreveu que seu dom musical era incrível.

Mas o Trailblazing não é apenas para os aficionados da história, pois também apresenta trabalhos sobre questões muito atuais, como os precursores das vacinas para combater pandemias a partir de 1755 ou as polêmicas propostas feitas em 2008 por James Lovelock para redesenhar o mundo mediante a geoengenharia e assim amenizar os efeitos da mudança climática

30
nov
09

OS PETRALHAS E A GRANDE DIFERENÇA

Por Reinaldo Azevedo:

O texto que segue acima é o quarto que escrevo sobre o caso Arruda. Na própria sexta, dia em que estourou o escândalo, mandei ver, sem ambigüidades: “Farei, sem que tenham me pedido, como sempre, uma lembrança ao DEM e uma advertência: justificar o injustificável é um atalho para a desmoralização. Se a gravação do tal secretário de Arruda for tão inequívoca como se diz, cumpre não ficar velando cadáver adiado. Porque ele procria e contribui para minar o partido.”

Não obstante, os petralhas vêm berrar aqui: “E aí? Não vai falar nada do Arruda?” O que se passa com essa gente? Seu analfabetismo moral eu já conhecia. Pelo visto, há o funcional também. O que será que eles entendem quando lêem “cumpre não ficar velando cadáver adiado”??? Vai saber…

Mas entendo a alma dos petralhas. Como eles estão sempre defendendo os seus próprios safados e mensaleiros, acreditam que aqueles de quem não gostam façam o mesmo com os safados e mensaleiros que não são do seu partido. Pois é! Eu não faço. Acho que o Brasil precisa de uma legenda com o perfil do DEM. É a que tem o núcleo doutrinário — o que não quer dizer “prática” — mais próximo do que penso, mas não tenho vínculo com o partido. O DEM é muito progressista pra mim; estou à sua direita.

E não preciso defender os crimes de ninguém. Vênia máxima, isso é coisa de certo esquerdismo do miolo mole, que se dá todos os direitos. Acho que José Roberto Arruda merece ser impichado. E achava que Luiz Inácio Lula da Silva merecia o mesmo quando estourou o mensalão.

Entenderam a diferença entre nós, petralhas, entre muitas? EU DEFENDO QUE ARRUDA SEJA POSTO NA RUA, COMO DEFENDIA QUE LULA FOSSE POSTO NA RUA. Vocês pedem punição para o partido adversário e negam os crimes do seu partido. Assim, se falta vergonha na cara, não falta à minha cara, que defendo a punição independentemente da bandeira ideológica. Já vocês chamam os próprios crimes de atos beneméritos.

De fato, não somos iguais. Afinal, quando um petista é flagrado fazendo lambança, esses gênios acusam “manipulação da mídia golpista”. Quando a bola da vez é o DEM, aí a “mídia ” deixa de ser “golpista” e passa a ser de interesse público.

Criem vergonha!

30
nov
09

HONDURAS E A BARRIGA MORAL DE GRANDE PARTE DA IMPRENSA

Por Reinaldo Azevedo:

Poderia me abster do comentário abaixo para que não me achem antipático, mas aí eu não seria eu. As editorias de Internacional da imprensa brasileira, com raras exceções, também saíram intelectualmente derrotadas com as eleições limpas em Honduras.

Demoraram um mês para fazer o que fizemos no primeiro dia: ler a Constituição democrática do país. Quando decidiram fazê-lo, consideraram que era tarde para mudar de idéia. Alguns mal conseguem disfarçar a contrariedade na TV ou em veículos impressos. Outros tentam magnificar protestos irrelevantes.

Sabem o que isso significa? Que, na média, o jornalismo brasileiro, mesmo assediado pelos autoritários locais — vem por aí a tal conferência fascistóide de comunicação —, ainda não aprendeu a ter a democracia como valor inegociável. Ainda lhe falta radares para dizer: “Assim não pode porque é contra a lei. E pronto!”

E, é óbvio, sempre houve os que estavam torcendo para o bandido.

Quando a imprensa comete um grande erro, diz-se que deu uma “barriga”. A brasileira (e boa parte do jornalismo ocidental) deu uma enorme BARRIGA MORAL E DEMOCRÁTCA e evidenciou que está despreparada para resistir ao assédio bolivariano às instituições.

Se não tomar cuidado, ainda acaba como despachante da Secretaria de Comunicação, que já tem seus setoristas nas redações.

30
nov
09

DIRETO DE TEGUCIGALPA: DEZ COISAS QUE SEI SOBRE A REALIDADE POLÍTICA DO PAÍS

Por Reinaldo Azevedo:

O deputado Raul Jungmann (PPS-PE) é membro da Comissão de Relações Exteriores da Câmara e um dos mais de 300 observadores estrangeiros que acompanharam a eleição em Honduras neste domingo – o único brasileiro. Abaixo, ele conta o que viu e ouviu em Honduras quando esteve lá em setembro e agora.
*
Estive em Honduras no fim de setembro chefiando uma missão parlamentar da Câmara dos Deputados. Naquela oportunidade, encontrei-me com toda a cúpula política do país – Corte Superior de Justiça, presidente, mesa diretora e líderes da Assembléia Nacional, Comissão Nacional de Direitos Humanos, presidente da República e presidente deposto, além de diplomatas, sociedade civil e jornalistas. Agora, estou de volta à capital hondurenha, Tegucigalpa, como observador internacional do processo eleitoral, o único do Brasil.

Acho que aprendi algo sobre o que se passou e se passa aqui e me chama atenção a repetição, como um mantra, de erros grosseiros, factuais ou de interpretação, sobre a crise em que foi mergulhado esse país. Resolvi então selecionar os dez mais comuns e contestá-los no intuito de desfazer equívocos e informar corretamente.

01. EM HONDURAS OCORREU UM GOLPE
Se, por um golpe, tomamos algo que se dá contra a Constituição de um país ou à margem dela, certamente não. A deposição do Presidente Zelaya e a posse do presidente Roberto Micheletti se dão de acordo com a Carta hondurenha. Todas as instâncias legais foram observadas, e todas as instituições – Corte Suprema, Procuradoria Geral, Advocacia da União e Congresso – se manifestaram como manda o rito constitucional. E, em todas elas, o sr. Zelaya foi condenado jurídica e politicamente.

02. MICHELETTI É UM PRESIDENTE DE FACTO E GOLPISTA
O Sr. Micheletti é o presidente constitucional de Honduras e não de fato ou interino. Ele chegou à Presidência por comando claro da Constituição, dado que era o sucessor legal e que o vice se afastara para concorrer às eleições. Ele deverá passar o cargo ao seu sucessor no prazo previsto, 27 de janeiro de 2010. Golpista nenhum torna-se presidente e deixa de sê-lo de acordo com o que manda a Constituição.

03. O PRESIDENTE ZELAYA NÃO TEVE DIREITO DE DEFESA
Sigamos a cronologia dos fatos. Em fevereiro de 2009, o Sr. Zelaya torna pública a sua intenção de realizar um plebiscito, o que feria a letra da Constituição. Em abril, a Fiscalia de la Republica (Procuradoria Geral) lhe manda uma primeira carta alertando-o para a flagrante inconstitucionalidade de tal ato. Zelaya desdenha. Ainda em abril, uma segunda carta pública lhe é enviada pela Fiscalia com o mesmo resultado, pois o presidente, também publicamente, reitera suas intenções. Então, a Fiscalia oficia, em maio, para que se pronuncie o Advogado Geral do Estado, e este o faz reforçando a tese da inconstitucionalidade. Nesse momento, a Fiscalia requer à Justiça de primeira instância que instaure processo, do qual resulta a condenação de Zelaya, que recorre ao Tribunal de Apelação, que igualmente o condena, com novo recurso à Corte Superior de Justiça – com o mesmo resultado dos anteriores. É então que, no dia 23 de março, o presidente Zelaya publica um decreto convocando uma Constituinte, o que colide frontalmente com um outro artigo da Carta.

Entra em cena o Congresso Nacional, que usando de suas prerrogativas, julga a conduta do presidente e, por 123 votos a 5, inclusa a maioria do seu partido, decide afastar o presidente Zelaya. Duplamente julgado e condenado, tendo tido amplo direito de defesa, ele é afastado, tem os seus direitos políticos cassados e sua prisão decretada pelo presidente da Corte Superior de Justiça no dia 28 de junho. Onde, portanto a ausência de contraditório e o amplo direito de defesa?

04. ZELAYA É UM HOMEM DE ESQUERDA E POPULAR
Nada, na biografia e trajetória do presidente deposto, autoriza essa constatação. Filho de um rico fazendeiro (envolvido em uma chacina de camponeses), eleito pelo Partido Liberal, de direita, privatista e antiestatista, o Sr. Zelaya se elegeu com um programa pró-mercado e de reformas. No poder, cai nas graças de Hugo Chávez, ingressa na ALBA, a Alternativa Bolivariana Para as Américas , assumindo posturas e projetos populistas e assistencialistas. Por essa “conversão”(?!), torna-se um ídolo para uma certa esquerda de pouco tino e senso histórico.

05. ZELAYA NÃO VOLTOU AO PODER POR CONTA DA DITADURA GOLPISTA
Nada mais falso. Em primeiro lugar, todas as instituições hondurenhas estão abertas e funcionando normalmente, o que, convenhamos, é esquisitíssimo em se tratando de um golpe de Estado. Em segundo, contando com o esmagador apoio de toda a comunidade internacional, da OEA e a ONU, e se dizendo popular e com o apoio dos hondurenhos, por que “Mel” não retorna ao poder? Por dois motivos: a totalidade das instituições de Honduras está definitivamente contra ele, e a maioria do seu povo, também. Tivesse esse último a seu favor, manifestações de massa – inexistentes – e uma greve geral, mais o apoio externo, teriam derrubado o atual governo.

30
nov
09

ARRUDA, O REI DO PANETONE, PARA PRESIDENTE DA UNE!!!

Por Reinaldo Azevedo:

O Estadão pegou a UNE com a boca na botija. A UNE, para quem não se lembra, é aquela entidade que um dia representou os estudantes universitários. Recriada no fim do Regime Militar, tornou-se um mero e rentável aparelho do PC do B. Nos sete anos de governo Lula, a entidade — ignorada pela esmagadora maioria dos universitários brasileiros — já recebeu R$ 10 milhões em convênios. Ao rastrear um deles, o jornal descobriu que o trabalho prometido não foi feito, que empresas de fachada eram usadas para justificar gastos e que o contrato de prestação de contas não está sendo cumprido.

Muito bem! O que fazem os valentes diante das evidências elencadas pelo jornal? Ora, no site da entidade, o presidente da UNE, o tiozinho Augusto Chagas — a caminhos dos 28 anos — acusa uma grande conspiração contra a entidade e diz que a “mídia” quer satanizar os “movimentos sociais”. Chagas acha que a UNE é um movimento social. Por que chamei de “Tiozinho”? Este moço está em seu terceiro curso universitário, com matrícula trancada de novo. Os dois outros, ele não concluiu, claro. Ele é um quadro do PC do B e existe para servir ao partido. Poderia ser em outro lugar, mas é no movimento estudantil. Se fosse um profissional do estudo, nessa idade, já poderia estar fazendo pós-doutorado. Como é um estudante profissional, não sai do primeiro ano. Imaginem um discurso inflamado de um jovem radical de… cabelos brancos! Em breve, estará pedindo emprestada a tintura a Edison Lobão! Já contei para vocês que vi outro dia um militante secundarista grisalho. Lula tem de instituir a Bolsa Geriatria para o movimento estudantil… Adiante!

O que é mais curioso? As desculpas de Chagas não são diferentes das de José Roberto Arruda, o Rei do Panetone. Ele também diz haver uma conspiração contra o seu governo e atribui as denúncias aos adversários que querem prejudicá-lo. Também Arruda pretende que acreditemos que aquilo que todos vêem não é aquilo que todos vêem. A propósito, pasmem! Chagas, da UNE, em sua carta-desabafo criticando a mídia, tem o topete de atacar Arruda, que estaria, imaginem, sendo protegido pela imprensa!!!

Sai pra lá, Chagas! Entregue o cargo para Arruda! Ele já é meio velhinho para ser presidente da UNE, mas quem aí não é? E é notoriamente um profissional, não é mesmo?

30
nov
09

E o granma.cu não gostou das eleições – a exemplo de certa imprensa no Brasil

Por Reinaldo Azevedo:

Vejam o que informa a agência EFE. Comento em seguida:

A imprensa oficial cubana fez fortes críticas às eleições realizadas no domingo em Honduras, qualificando o processo de “farsa ilegítima”. “Recorde de abstencionismo e repressão brutal caracterizam a farsa eleitoral de Honduras”, disse o jornal “Granma”, porta-voz do governante Partido Comunista.

“Alto índice de abstenção, falta de legitimidade e transparência, e a brutal repressão do Exército e da Polícia contra a população caracterizaram a farsa eleitoral deste domingo convocada em Honduras pelo regime usurpador de Roberto Micheletti”, disse a publicação.

Já a “Trabalhadores”, da central sindical única da ilha, teve como destaque “Honduras: militarização e abstenção marcam pleito”. “Até agora só países como Estados Unidos, Colômbia, Panamá e Costa Rica expressaram de uma forma ou outra aceitar o resultado das eleições”.

O chanceler cubano, Bruno Rodríguez, que participa da 19ª edição da Cúpula Ibero-Americana, na cidade portuguesa de Estoril, pediu um pronunciamento de rejeição às eleições em Honduras e alertou da ameaça da doutrina militar americana para a América Latina, informou a agência estatal “Prensa Latina”. EFE.

Comento
O Granma é aquele jornal que os cubanos usam como substituto do papel higiênico — artigo de luxo na ilha. O único lugar de Cuba em que a parte terminal do aparelho digestivo recebe um tratamento à altura do grau de desenvolvimento a que chegou a civilização humana é em Guantánamo, a parte da ilha em que os “moradores” conhecem seus direitos e deveres. E em que há comida farta também. Se vocês querem ler toda a mensagem, já sabem: o endereço eletrônico é http://www.granma.cu.

Compreendo que Cuba critique supostos desmandos em eleições. Afinal, eles não sabem por lá o que isso significa porque baniram essa formalidade besta das democracias. Mas o espírito http://www.granma.cu está presente também na imprensa brasileira. Alguns dos nossos articulistas e editorialistas estão inconformados. Vêem uma grande ameaça no horizonte. Entendo. A se darem as cosas como se deram em Honduras, o que será do chavismo, não é mesmo?

Encerro com uma frase da página 81 de “Máximas de Um País Mínimo”:

“Não se pode mais aceitar um golpe com tanques, como no passado. Não se pode aceitar um golpe com urnas, como no presente”.

Aí o petralha se assanha, fingindo-se de bípede: “Você está falando do golpe de ontem?” Não! Estou me referindo ao golpe tentado pelo ex-presidente — é o que ele é — Manuel Zelaya.

30
nov
09

Linha do tempo

Deu na Folha de S. Paulo

De Renata Lo Prete:

De Arruda, há quatro meses, em entrevista, sobre qual seria o seu limite para o fisiologismo na máquina pública: “É o limite ético. É não dar mesada, não permitir corrupção endêmica, institucionalizada. Sei que existe corrupção no meu governo, mas sempre que eu descubro há punição”.

Foto: Agência Globo

Pouco importa o que venha a fazer o governador José Roberto Arruda (DEM), do Distrito Federal. Pode ficar no cargo para evitar o risco de ser preso. Pode pedir licença. Se renunciar ao mandato tanto pior.

Mas uma coisa é certa: o plano de se reeleger foi engolido pelo mensalão embolsado por ele e sua turma. Não tem pão? Vá comer panetone.

Esse, sim, é um mensalão digno de ser encarado como tal e tratado com deferência. Perto do mensalão de Arruda, o do PT denunciado pelo ex-deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ) não passou de um mensalinho.

É razoável supor que o mensalão do PT movimentou mais grana. Ocorre que ele era federal. O novo mensalão é distrital. De resto, vista de longe, Brasília se limita à Esplanada dos Ministérios.

É por isso que a maioria dos brasileiros não dá bola para o que se passa dentro das quatro linhas da política brasiliense. A imprensa de fora só raramente – embora muitos dos seus jornalistas vivam aqui.

Esqueça a imprensa local. O DNA dela é governista.

No último sábado, por exemplo, os dois principais jornais da cidade operaram o prodígio de noticiar o mensalão de Arruda livrando a cara de…De quem mesmo? De Arruda. O terceiro jornal não deu uma linha.

Repetiram a dose no domingo.

A imagem inaugural do mensalão do PT foi aquela do funcionário da empresa Correios & Telégrafos recebendo uma gorjeta de R$ 3 mil.

A do mensalão do DEM foi a do governador recebendo uma gorda quantia de dinheiro.

A gorjeta foi paga por um ex-bicheiro interessado em fazer negócios com o Correios.

O dinheiro foi entregue a Arruda pelo seu secretário de Relações Institucionais, Durval Barbosa.

Não há um único depoimento que incrimine Lula ou o vice-presidente José Alencar na denúncia aceita pelo Supremo Tribunal Federal (STF) contra os mensaleiros do PT.

Fita de vídeo ou de áudio que flagre mensaleiros de alto coturno discutindo a partilha do “faz-me rir”? Não existe. Mesmo contra o ex-ministro José Dirceu, apontado como chefe da “organização criminosa”, há poucos indícios de fato consistentes.

Arruda também foi filmado conversando com Durval e com o chefe da Casa Civil do governo sobre a necessidade de unificar a forma de pagamento de propinas a secretários de Estados e deputados distritais.

E outra vez foi filmado ouvindo Durval explicar que 40% do dinheiro arrecadado junto a quatro empresas da área de informática caberiam a ele, Arruda, 30% ao vice-governador Paulo Octavio e o resto ao demais beneficiados.

Há pontos em comum entre os dois mensalões.

Primeiro: o dinheiro serviu para facilitar a aprovação na Câmara dos Deputados e na Câmara Legislativa do Distrito Federal de projetos dos governos Lula e Arruda.

Segundo: os presidentes de ambas as Câmaras participaram do esquema.

Terceiro: Lula chamou seu mensalão de Caixa 2. Arruda chamou o dele de ação meritória para a compra de panetones destinados a saciar a fome dos pobres.

Sempre se poderá dizer que os mensaleiros do PT demonstraram mais esperteza. Deixaram menos rastros capazes de mandá-los para a cadeia.

Os mensaleiros distritais foram confiantes demais, relapsos demais e acreditaram em excesso que escapariam impunes.

Produziram o mais bem documentado escândalo da história política recente do país. Coisa de deixar Delúbio Soares, ex-tesoureiro do PT, de queixo caído.

Os mensaleiros do PT tentaram se apossar da máquina do Estado, segundo a denúncia acolhida pelo STF.

Os mensaleiros de Brasília, não – a máquina do Estado é deles desde que Joaquim Roriz chegou ao poder pela primeira vez. Ele governou quatro vezes. Em 2006, ajudou seu ex-pupilo Arruda a se eleger.

Arruda herdou de Roriz parte dos seus auxiliares. Durval foi um deles. Afinal, por que mexer em time que estava ganhando?

O calendário gregoriano nada tem a ver com o calendário político.

A se levar em conta o primeiro, o governo Arruda acabaria no dia 31 de dezembro de 2010. Com base no segundo, o governo acabou na semana passada.

Pode até seguir se arrastando por aí como um morto vivo, mas acabou.

Resta saber o que fará o DEM com seu único governador.

O DEM é famoso por ser o partido mais rápido no gatilho quando cobra providências do governo contra os que ferem os bons costumes.

O destino político de Arruda está nas mãos da direção do DEM. Se ele acabar expulso não terá legenda para concorrer às próximas eleições. Se é que idéia tão bizarra ainda passa pela cabeça dele.

30
nov
09

UNE pagou por pesquisa a empresa de segurança

Deu em O Estado de S. Paulo

MG já fora usada pela entidade para suposta fraude em outro convênio

De Leandro Colon:

A União Nacional dos Estudantes (UNE) transferiu recursos públicos destinados à pesquisa sobre a história estudantil para a mesma empresa de segurança de Salvador usada para fraudar um orçamento de outro convênio da entidade estudantil com o governo federal.

No dia 19 de dezembro do ano passado, a UNE repassou R$ 7,8 mil para a conta da MG Portaria e Limpeza, que tem como endereço uma sala em um pequeno sobrado na região da Baixa dos Sapateiros, na capital baiana. O dinheiro saiu da conta do convênio do projeto Sempre Jovem e Sexagenária, celebrado entre a entidade e o Ministério da Cultura em 2008.

Em junho do ano passado, a UNE recebeu R$ 435 mil para realizar o projeto, que propunha escrever um livro e produzir um documentário sobre a militância estudantil secundarista. Ontem, o Estado revelou que, apesar de o convênio ter terminado em junho, o livro e o documentário não foram feitos e nenhuma prestação de contas chegou ao ministério.

30
nov
09

Esquema desvia R$ 40 mi do Detran

deu em o estado de s.paulo

Pagamentos de contratos para emplacar carros seriam superfaturados em 200%; laranjas controlam empresas

De Marcelo Godoy:

Empresas contratadas pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran) para emplacar veículos em São Paulo são acusadas de fraudes que deram prejuízo estimado de pelo menos R$ 40 milhões. Delegados e empresários são suspeitos de participar do suposto esquema milionário. Laranjas controlariam a principal empresa contratada pelo departamento.

A fraude principal seria o superfaturamento de até 200% da medição dos serviços contratados. Ela envolveria centenas de Circunscrições Regionais de Trânsito (Ciretrans) de São Paulo – o Estado tem 344. O esquema era simples.

As Ciretrans enviavam todo mês ao Detran um documento atestando que a empresa emplacara mais carros do que havia efetuado. O atual diretor do Detran, Carlos José Paschoal de Toledo, suspendeu os pagamentos nos últimos três meses e constatou que as empresas deviam receber só um terço do que pleiteavam. Passou a pagar só o que devia.

Os pagamentos a mais eram feitos sem que os gestores dos contratos – alguns deles carcereiros – confrontassem a prestação de contas das empresas com os registros de veículos emplacados nas Ciretrans. Eram as prestações de contas das empresas que serviam de comprovação para a liberação dos pagamentos pelo governo. Quem mandava pagar com base nesse documento era a Divisão de Administração do Detran.




novembro 2009
D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930