Arquivo para março \16\UTC 2010

16
mar
10

Executivos são investigados por lucro na Bolsa com dados privilegiados

da Folha Online

A Justiça Federal de São Paulo investiga executivos e sócios da empresa gaúcha Randon por lucrarem na Bolsa de Valores de São Paulo com informações privilegiadas sobre sociedade com o grupo norte-americano ArvinMeritor, informou nesta quinta-feira o MPF (Ministério Público Federal), em São Paulo.

Serão processados pelo crime, chamado de “insider trading”, seis pessoas, entre sócios e executivos. Procurada, a Randon informou que não irá se pronunciar enquanto não for oficialmente notificada.

Segundo o MPF, os seis são acusados de adquirirem 754 mil ações da Randon e de outra empresa do grupo, a Fras-Le, entre 05 de junho de 2002 e 19 de julho de 2002 — cerca de dois meses antes de anunciarem a entrada da empresa Arvin Meritor Inc como sócia do grupo brasileiro. A declaração oficial só foi feita por meio de fato relevante, publicado em 15 de agosto de 2002.

“Na época em que adquiriram as ações, como diretores e sócios da empresa brasileira, os acusados já sabiam da sociedade com os americanos”, informou o Ministério Público em nota. As ações tiveram valorização de 120% nos 12 meses após a entrada da Arvin Meritor no grupo brasileiro.

O processo foi proposto em maio de 2009 pelo MPF em Caxias do Sul e chegou à 6ª Vara Federal Criminal de São Paulo, onde o lucro foi auferido no mercado de ações.

Para o juiz substituto Marcelo Costenaro Cavali, da 6ª Vara Federal, “a ofensa é direta e frontal a bem ou interesse da União, eis que a utilização da informação privilegiada gera a desconfiança de todos os atores do mercado, o que pode implicar na alteração dos investimentos realizados, com prejuízos evidentes ao país”, assinalou na decisão em que recebeu a denúncia.

Trata-se da segunda ação penal de insider trading aberta pela Justiça Federal de São Paulo. A primeira foi em 2009, contra executivos da Sadia e do Banco ABN-Amro, que teriam lucrado no mercado de ações americano com informações privilegiadas, obtidas no Brasil, sobre a oferta de compra da Perdigão, pela concorrente.

16
mar
10

Consejo Federal de Gobierno limita atributos de la propiedad

El socialismo previsto en la norma elimina la disposición de bienes

El Ejecutivo nacional, a través del Reglamento de la Ley del Consejo Federal de Gobierno, decidió no sólo definir las líneas de acción que tendrán los gobernadores, alcaldes y consejos comunales, sino también constituir su ideal de modelo productivo socialista.

Por esa vía, el Gobierno plasmó el concepto de socialismo que reduce los atributos de la propiedad, al eliminar la disposición de los bienes.

En sus alocuciones el primer mandatario ha insistido en que la propiedad no es una mercancía, no se vende, y ahora lo dicho en el discurso es ley.

El reglamento señala que “el socialismo es un modo de relaciones sociales de producción centrado en la convivencia solidaria y la satisfacción de las necesidades materiales e intangibles de la sociedad que tiene como base fundamental la recuperación del valor del trabajo como productor de bienes y servicios para satisfacer las necesidades humanas. Para ello es necesario el desarrollo de la propiedad social de los bienes sobre los factores y medios de producción básicos y estratégicos que permita que todas las familias y los ciudadanos posean, usen y disfruten de su patrimonio o propiedad individual o familiar”.

El artículo 115 de la Constitución indica que se garantiza el derecho de propiedad y toda persona tiene derecho al uso, goce, disfrute y disposición de sus bienes. Se entiende que el uso es el derecho a poseer y obtener todos los servicios de la propiedad, el goce y disfrute son los derechos a percibir los frutos y rentas propias que la propiedad pudiera generar y la disposición es la facultad de vender, dar en comodato, hipotecar o donar.

De acuerdo con lo previsto en el reglamento, los ciudadanos podrán poseer, usar y disfrutar de su propiedad individual, no podrán disponer de ella, es decir, no se podrá vender.

El abogado José Vicente Haro explica que ante lo contemplado en la normativa los ciudadanos tendrán una propiedad individual o familiar, sin embargo, ese tipo de propiedad está en función de los intereses colectivos, se usa y se disfruta, pero su disposición estará definida por la comuna. “Mientras que la propiedad privada va en contra de esos intereses colectivos”.

Ganancia cero
El Gobierno a través del reglamento plantea el desarrollo de la propiedad social sobre los factores y medios de producción básicos y estratégicos.

En ese marco, el abogado comenta que, por ejemplo, si se instala una planta de producción en una comuna, la ganancia que genere la actividad va a la comuna. “No se puede disponer de los dividendos que se obtengan de la actividad, porque dichos recursos tienen que ser invertidos en la comuna para evitar la desigualdad social”.

El manejo de la propiedad social se delega en las comunas. Por tal motivo, este domingo el primer mandatario manifestó “la necesidad de apurar la comuna, que tiene que ser el territorio del socialismo”.

A su juicio “la economía tiene que estar en manos del pueblo, no en manos de los capitalistas. El comercio en manos del pueblo, irles quitando ese carácter de mercancía a los productos para la vida. Por ejemplo, un sistema de suministros socialista para ir quitándole el carácter mercantil. Hablar de mercado socialista es una contradicción en sí misma. ¿Por qué? Ahora, hay que descubrir la contradicción (…) en lugar de mercado socialista vamos a hablar de un sistema de suministro de ropa, de alimentos. Es para pensar, es para pensar y para seguir actuando, sobre la contradicción”.

En detalle
El Reglamento de la Ley del Consejo Federal presenta el modelo productivo previsto en la reforma constitucional rechazada en diciembre del año 2007.

Para el primer mandatario nacional los cambios en el modelo económico partían de un ajuste en la división del territorio. Por tal motivo se contemplaron distritos funcionales que se crearían, según sus potencialidades económicas. Ahora se establecerán figuras similares que se denominan distritos motores de desarrollo.

Esos distritos se pueden decretar por área, de manera que pueden ser turísticos, agrícolas, agroindustriales, pesqueros, industriales, mineros. Y este domingo, Hugo Chávez anunció la constitución de un distrito motor pesquero, que se desarrollará en parte del estado Nueva Esparta y el estado Sucre. Y no descartó que también haya un distrito turístico.

El reglamento apunta que existirán ejes comunales y ejes de desarrollo y allí se articularán los sistemas económicos productivos bajo regímenes de producción socialista.

marmas@eluniversal.com

Mayela Armas H.
EL UNIVERSAL

16
mar
10

Gobierno pasó de promover Internet a intentar su control

RSF dice que restricciones no resuelven difusión de informaciones falsas

Contenido relacionado
Un derecho garantizado

De acuerdo con una investigación académica, el Gobierno venezolano cambió su política sobre el uso público de Internet, luego de ser derrotado electoralmente en el año 2007.

La profesora e investigadora de la Universidad de Los Andes (ULA), Raisa Uribarri, señala que desde la aprobación de la Constitución de la República -en 1999-, de la Ley de Telecomunicaciones y el decreto 825 del Ejecutivo Nacional -ambos en el año 2000- se consideró la Internet como una herramienta prioritaria para el desarrollo económico del país y se crearon estrategias para ampliar su penetración.

Según Uribarri, “En 2007 hubo un punto de inflexión”. Dice que la percepción del presidente de la República, Hugo Chávez, acerca de que su derrota en el referéndum para la reforma constitucional se debió a que “el pueblo no entendió la propuesta”, originado por una supuesta manipulación mediática, motivó el cambio de estrategia sobre Internet.

Según Uribarri, la aprobación del decreto 6.649 en 2009, que cataloga a Internet como un servicio suntuario – cuando antes era calificado como prioritario-, es un elemento que sugiere la nueva percepción sobre la red. También ese año se concretó la nacionalización de la Compañía Anónima Nacional Teléfonos de Venezuela, el principal proveedor de telefonía e Internet del país.

A esto se sumaría la reciente declaración del Presidente, en cuanto a que “Internet no puede ser una cosa libre”.

Reacción internacional
La organización internacional Reporteros Sin Fronteras se pronunció ayer acerca de las declaraciones del mandatario venezolano, quien cuestionó la publicación en el portal Noticiero Digital de los comentarios de dos foristas, quienes informaban la supuesta muerte del ministro de Vivienda y Hábitat Diosdado Cabello y del dirigente oficialista Mario Silva.

“Aplicar restricciones a Internet no resolverá el problema de difusión de noticias falsas”, señaló el organismo a través de un comunicado.

Añadió que “Este caso sirve de pretexto al Gobierno para legitimar la regulación de un espacio cuyo control no ha conseguido hasta ahora. Una recuperación del poder por parte de las autoridades podría poner en peligro la libertad de expresión en Internet, mientras el gobierno actual ha reforzado su control de los medios de comunicación, sobre todo audiovisuales, a lo largo de los últimos años”, declaró la organización.

Sobre este aspecto, la investigadora de la ULA destacó que con el ordenamiento jurídico vigente existe protección para el acceso a Internet. “Cualquier elemento que se salga de allí es inconveniente”, opinó.

De acuerdo con el artículo 108 de la Constitución, “el Estado garantizará servicios públicos de radio, televisión y redes de bibliotecas y de informática, con el fin de permitir el acceso universal a la información”.

Reyes Theis
EL UNIVERSAL

16
mar
10

Telefônica pode ser multada em R$ 25 mi por queixas de clientes

GIULIANA VALLONE
da Folha Online

Depois de ocupar pelo quarto ano consecutivo a liderança do ranking de reclamações do Procon-SP, a Telefônica pode ter de pagar multas que ultrapassam R$ 25 milhões pelo mau atendimento aos consumidores. Ao todo, as cinco primeiras colocadas da lista podem sofrer sanções de mais de R$ 60 milhões.

Ao longo de 2009, a Telefônica registrou 15.337 demandas não solucionadas que acabaram virando processos no órgão de defesa do consumidor. A maior parte delas foi registrada no primeiro semestre, quando os problemas com o provedor Speedy fizeram a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) proibir a venda do produto.

“A empresa teve um desempenho negativo no primeiro semestre nunca antes visto pelo Procon-SP”, afirmou Roberto Pfeiffer, diretor-executivo do Procon-SP, citando que as reclamações contra a companhia chegaram a 3.000 mensais na primeira metade do ano.

Dados obtidos pela Folha Online mostram que há oito processos sancionatórios contra a Telefônica em andamento no Procon-SP, em razão das queixas registradas em 2009. Nesses processos, as multas variam entre R$ 212 e R$ 3,19 milhões, de acordo com o porte da empresa e o tamanho da infração.

Segundo o órgão, em razão do tamanho das empresas envolvidas, as multas costumam ficar próximas do valor máximo. Um nono processo instaurado contra a Telefônica em 2009 já foi julgado pelo Procon-SP e resultou em multa de R$ 3,19 milhões.

Os processos não têm tempo máximo para ser finalizados, já que dependem da apresentação da defesa das companhias.

A Telefônica declarou, em nota, que os números de clientes que fizeram reclamações no Procon caíram 78,6% na comparação entre os dados de dezembro de 2009 e os de abril do mesmo ano –mês em que houve o pico de reclamações contra a empresa.

A empresa acrescentou ainda que “continua empenhada em melhorar ainda mais suas relações com os consumidores”. Entre as ações, destaca capacitação e treinamento de 100% dos profissionais de sua Central de Atendimento 10315.

R$ 60 milhões

Junto com a Telefônica, Itaú, Eletropaulo, Sony Ericsson e TIM ocupam as cinco primeiras posições do ranking 2009 do Procon-SP. Contra elas, correm 19 processos sancionatórios, que podem resultar em multas máximas de R$ 60,65 milhões.

Itaú, que foi multado três vezes em 2008, em R$ 211 mil, R$ 105 mil e R$ 55 mil, possui quatro autuações em andamento, Sony Ericsson, duas, e TIM tem cinco processos ainda não concluídos. A Eletropaulo já foi multada em R$ 6,38 milhões em dois processos instaurados em 2008 e 2009 e não possui nenhuma autuação em aberto. (Veja a resposta das companhias aqui)

Em evento para a divulgação do ranking na semana passada, o secretário de Justiça de São Paulo, Luiz Antonio Marrey, defendeu a aplicação de mais multas para que as empresas melhorem o atendimento aos clientes. “É preciso que órgãos como o Ministério Público proponham cada vez mais ações contra essas empresas para que o ônus do mau atendimento fique insuportável”, disse Marrey.

Veja lista das cinco primeiras colocadas:

1 – Telefônica – 15.337 reclamações – oito autuações em andamento
2 – Itaú – 1.410 reclamações – quatro autuações em andamento
3 – Eletropaulo – 1.340 reclamações – nenhuma autuação em andamento
4 – Sony Ericsson – 1.288 reclamações – dois autuações em andamento
5 – TIM – 1.112 reclamações – cinco autuações em andamento

16
mar
10

Polícia Federal investiga Sadia por suspeita de fraude cambial

da Folha Online

A Polícia Federal investiga a suspeita de que a Sadia, antes de se fundir à Perdigão, tenha usado operações bancárias ligadas à exportação para fraudes cambiais, informa a reportagem de Mario Cesar Carvalho publicada nesta terça-feira (16) na Folha

Documentos que integram o inquérito apontam que a Sadia recorreu a uma operação bancária chamada ACC (Adiantamento de Contrato de Câmbio), que antecipa recursos para quem exporta, sem comprovar que realizou todas as exportações que lastreavam esses contratos. A investigação corre sob segredo de Justiça, mas a Folha obteve cópias de partes dessa documentação.

A suspeita é que a empresa tenha usado os ACCs para tirar ou trazer dólares ao país, conforme a necessidade. A Sadia sustenta no inquérito que as operações foram regulares.

O ACC é muito usado por exportadores porque os juros cobrados podem chegar à metade das taxas habituais, já que tem como garantia o contrato de venda do produto exportado.

Os ACCs investigados são anteriores à crise global que abateu a Sadia em 2008, mas podem fornecer uma explicação adicional para a bancarrota.

Leia a reportagem completa na Folha desta terça-feira, que já está nas bancas.

16
mar
10

Governo e oposição de Israel criticam Lula por boas relações com Irã

Presidente do Parlamento pediu para mandatário se unir aos que reconhecem o Irã com ameaça
A oposição e a situação em Israel se uniram nesta segunda-feira, 15, em uma crítica velada à aproximação do Brasil ao Irã e à resistência do governo brasileiro em aderir às sanções do Conselho de Segurança das Nações Unidas contra Teerã por conta do programa nuclear iraniano. A opinião dos partidos israelenses foi expressada durante a sessão especial do Knesset, o Congresso de Israel, por ocasião da visita do presidente Lula.

Em clara referência ao Brasil, o presidente do Knesset, Reuven Rivlin, advertiu que “os países devem acordar da sonolência e enfrentar as bases satânicas desse regime dos aiatolás”. “Peço que se una aos países que já reconheceram esse perigo e apoie as sanções”, afirmou Rivlin, dirigindo-se a Lula.

O presidente do Congresso alertou Lula sobre o fato de sua postura poder ser encarada como uma fraqueza em relação a Ahmadinejad. “Ser contra as sanções pode ser visto como um sinal de fraqueza diante de líderes como esses, que não têm freios. A História mostra, Deus nos livre, o que pode acontecer se não tomarmos medidas contra essas ameaças”, concluiu

O apelo foi reforçado a Lula pelo próprio primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, que insistiu para o brasileiro aderir a uma “frente moral” para evitar a ameaça do armamentismo iraniano. “Peço e espero que o Brasil apoie a frente internacional que está se cristalizando contra o armamentismo do Irã. Eles têm valores diferentes dos nossos e usam da crueldade. Eles adoram a morte, e vocês adoram a vida”, disse o premiê.

A líder do bloco de oposição no Knesset, Tzipi Livni, defendeu o isolamento do Irã, por meio da aplicação de sanções, e sua expulsão das Nações Unidas, uma vez que Teerã prega a eliminação do Estado de Israel. Livni, que foi chanceler de Israel entre 2006 e 2009, afirmou que o Irã se aproveita da aproximação com a América Latina para driblar o isolamento. “O Brasil não pode dar legitimidade ao Irã. Eles testam os limites do mundo livre. É preciso uma decisão energética e corajosa agora”, disse a líder da oposição.

Em seu discurso, Lula não chegou a mencionar a palavra Irã. Preferiu acentuar que a América Latina firmou um tratado que tornou a região livre de armas nucleares e que o Brasil conta com proibição constitucional à produção e ao uso de armamento atômico. “Gostaríamos que o exemplo de nosso continente pudesse ser seguido em outras partes do mundo”, afirmou.

Lula, por sua vez, insistiu na ideia de colocar o Brasil como um mediador no diálogo pela paz entre israelenses e palestinos. O presidente defendeu a “ampliação de interlocutores” nas negociações e foi igualmente duro com Israel ao denunciar as dificuldades nesse diálogo provocadas pelo projeto israelense de ampliação dos assentamentos em territórios palestinos.

Segundo Lula, esse anúncio, na semana passada, gera um “impasse” que agrava as condições de vida nos territórios palestinos, “alimenta o fundamentalismo de todos os lados e coloca no horizonte conflitos mais sangrentos ainda”.

16
mar
10

São Paulo já fala em alterações para 2011

Bruno Winckler – O Estadao de S.Paulo
Sucesso de público, a etapa de São Paulo da Fórmula Indy vai precisar de algumas mudanças para ser também sucesso de crítica nas provas já confirmadas para os próximos três anos. O presidente da SPTuris, Caio Luiz de Carvalho, aponta algumas ações que deverão ser tomadas para a etapa de 2011.

A primeira, e também a mais óbvia, será o recapeamento da pista do sambódromo assim que os carros alegóricos deixarem a passarela do samba no carnaval de 2011, marcado para o dia 8 de março. “Até eu que sou leigo sabia que não ia dar certo, que teriam de lixar o trecho”, concorda Carvalho.

Outra ação prevista para melhorar a pista do Anhembi é a mudança do material das zebras nas curvas. A ideia é usar um material mais macio, feito de plástico, diferente do usado neste ano, A recomendação foi feita pelo piloto Hélio Castroneves.

A terceira medida visa a diminuir as ondulações. O piloto Tony Kanaan disse que elas são normais em circuitos de rua, mas havia três ou quatro muito perigosas no Anhembi.




março 2010
D S T Q Q S S
« fev   abr »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031